Você está aqui: Início » Pesquisa » Laboratorios » Laboratório de Tratamento e Valorização de Afluentes-LTVE - Prof. Mauri S.A. Palma

Laboratório

Laboratório de Tratamento e Valorização de Afluentes-LTVE - Prof. Mauri S.A. Palma Departamento: Tecnologia

Coordenador(es): - Mauri Sergio Alves Palma
Endereço: R. do Lago, 250 - térreo Edifício Semi-Industrial
Website: http://www.fcf.usp.br/Departamentos/FBT/HP_Professores/Mauri/
Telefone: +5511-3091.2387

Apresentação

Linha de Pesquisa: Oxidação Química de Fármacos

Resumo: Nos últimos 10 anos o monitoramento de fármacos residuais no meio ambiente vem ganhando grande interesse devido ao fato de muitas dessas substâncias serem frequentemente encontradas em efluentes de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e águas naturais, em concentrações na faixa de μg/L e ng/L. O uso desenfreado de alguns fármacos como os antibióticos acarretam problemas ambientas como a contaminação dos recursos hídricos, resistência de alguns microrganismos a esses fármacos, contaminação de solos e bioacumulação em plantas. Os antibióticos são um dos grupos mais problemáticos de produtos farmacêuticos, pois sua utilização crescente de mais de quatro décadas tem levado à seleção de bactérias resistentes que podem ameaçar a eficácia dos antibióticos no tratamento de infecções humanas. As bactérias resistentes aos antibióticos, ao atingir o meio ambiente através de excreções de animais e de seres humanos, poderia transferir os genes de resistência a outras espécies bacterianas. Os antibióticos têm sido amplamente estudados por serem usados em grandes quantidades, tanto na medicina humana, quanto na medicina veterinária, no crescimento de gado, na aquicultura e na produção avícola e suína. Esta linha de pesquisa tem como objetivo propor técnicas com custo reduzido, eficientes e inovadoras para o tratamento de efluentes contendo antibióticos através do processo Fenton, que utiliza peróxido de hidrogênio e íons Fe2+. Estão sendo estudadas as influências da temperatura, concentração de peróxido de hidrogênio e de Fe2+ na eficiência de oxidação do antibiótico. Uma vantagem ambiental significativa deste processo baseia-se na baixa toxicidade dos reagentes e na alta eficiência do processo.

 

Projetos

  1. Oxidação química de doxiciclina pelo processo Fenton.
  2. Oxidação química de enrofloxacina pelo processo Fenton.
  3. Oxidação química de oxitetraciclina pelo processo Fenton.

 

Linha de Pesquisa: Síntese de Fármacos em Microrreatores

Resumo:Os microrreatores possibilitam excelente transferência de calor e de massa, altíssima relação superfície/volume com um escoamento laminar e pistonado. Vêm sendo utilizados na síntese de fármacos em fluxo contínuo, criação de bibliotecas de compostos químicos com potencial farmacológico, síntese contínua em múltiplas etapas, particularmente para reações rápidas que envolvam muito calor, processos químicos intensivos e reações com produtos químicos muito perigosos, tóxicos ou explosivos. Algumas vantagens da síntese de fármacos em microrreatores são a redução drástica dos tempos de reação, devido à eliminação dos efeitos da mistura ineficiente, aumento do rendimento e seletividade das reações e redução da geração de resíduos. A Indústria Químico-Farmacêutica é a maior beneficiária desta nova tecnologia, pois os microrreatores podem gerar uma quantidade de compostos, com potencial farmacológico, várias ordens de grandeza maior do que no processo batelada tradicional, podem diminuir em anos o tempo para produção comercial de um novo fármaco e podem ser unidades industriais extremamente pequenas e compactas. O objetivo deste trabalho é utilizar um microrreator para produzir moléculas orgânicas com potencial farmacológico que já foram sintetizadas em processo batelada no Departamento de Farmácia da FCF/USP, determinar a cinética das reações, determinar as melhores condições operacionais para cada síntese e desenvolver o modelo matemático do processo.

 

Projetos

  1. Síntese, caracterização e testes de derivados do Indol
  2. Síntese, caracterização e testes de derivados da Tiazolidina-2,4-diona

 

 

e-mail de contato: msapalma@usp.br